sábado, 30 de abril de 2011

KALKI - GORE VIDAL - Você Acredita no Fim do Mundo?

Seguindo a lista dos meus "livros inesqueciveis, aí vai mais um: KALKI, do Gore Vidal.
Eu ganhei este livro do falecido e saudoso "Círculo do Livro", lá pelos idos do final dos anos 1970. Pra quem não conhece, o Círculo do Livro era uma espécie de "Avon" dos livros. Tinha uma moça que levava a revista pra gente escolher e comprar os livros. Quando se indicava alguém ou se juntava um número X de selos, ganhava-se brindes. Kalki foi um brinde que ganhei e que acabou se tornando um brinde de ouro pra mim.
Como todas as obras do Círculo, tinha uma bela capa-dura, impressão em papel de primeira e edição bem cuidada, mas confesso que a sinopse não atraiu minha atenção. Nunca fui uma pessoa apocaliptica ou catastrofista e o tema não interessou. Porém, o livro estava lá, a compulsividade por leitura falou mais alto e eu resolvi ler.
Conclusão, o livro é fantástico!
Pessoalmente, foi uma abertura de cabeça em relação à seitas, líderes religiosos picaretas e o perigo do fanatismo e da falta de raciocínio concreto sobre questões transcedentais. Eu tinha 18/19 anos quando li e o livro funcionou como um alerta. Foi tão eficiciente que funciona até hoje..rs.
A capa ao lado é do livro que ganhei e que já passou por inundações, ataque de cupins enfurecidos e pelo menos 5 mudanças. E continua firme e forte. Saudades do Círculo, cujos livros eram impressos para durar.

Bom, mas vamos ao livro, certo?

A história é narrada por Teddy Hecht Ottinger, uma escritora - e aviadora - assumidamente bissexual, divorciada, falida, atéia e cética, cujo olhar sobre o mundo é cínico e irônico. Teddy nos conta sua história e ao mesmo tempo a história de Kalki, um lider religioso que, embora americano, vive na Índia e preside uma seita apocaliptica. Por uma série de eventos que não vou contar, vc precisa ler para saber, Teddy faz uma entrevista com Kalki e acaba fazendo parte de seu staff mais íntimo. Através da entrevista o homem se torna conhecido no mundo inteiro e cada vez mais sua seita ganha adeptos. Ao mesmo tempo, a CIA e o FBI investigam Kalki por tráfico de drogas, aliciamento de menores e mais uma lista de crimes hediondos, porém o homem continua a espalhar sua mensagem de fim-de-mundo, dizendo que quando a flor-de-lotus chover sobre o mundo, este terminará. E mais, ele dá uma data para isso. No dia marcado, as atenções do mundo se voltam aos telejornais, obviamente esperando o desmascaramento do líder. Não é bem isso o que acontece. Kalki tem um plano bem urdido e elaborado, cuidadosamente tecido paa que a humanidade tenha "um novo despertar". O plano, porém, possui uma falha e esta falha acaba transformando o último capítulo do livro em algo profundamente assutador.
Este livro foi escrito em 1979 e critica várias seitas chamadas "revolucionárias", "pós-modernas" e "esotéricas" (ou esquisotéricas, como dizem vários dos meus amigos). Além disso, mostra como uma pessoa louca, em um mundo sem valores, consegue explorar o vazio da condição humana manipulando bilhões de outras como marionetes, sem se importar com nenhuma.
Uma ficção assustadoramente parecida com muito do que vemos hoje. Uma leitura ágil, que não poupa o leitor das imbecilidades de todos nós. Mais um que vale a pena conhecer.
Recomendadíssimo!!!!

4 comentários:

Geyme Mannes disse...

Laura, querida minha;

Definitivamente, parece que temos o mesmo gosto para literatura, hehehe Adorei a resenha pelo conteúdo que vc apresentou, eu quero!!!
Beijo, beijo, beijo!!!

Laura Elias disse...

Oi, GG, leia que vc vai gostar, é muito bom.
Tudo bem aí?
Beijão!

Maria Renata Ramos disse...

Oi, Laura,
Adorei a resenha que você fez do livro que marcou minha pré-adolescência. Li exatamente este do Círculo do Livro do qual minha irmã mais velha era sócia e a história me impressionou muito, tanto, que anos depois eu tornei a ler e fiquei imaginando alguns atores para interpretar os personagens em um "blockbuster" da vida, hehe. Para viver a Teddy não me saía da cabeça a atriz Sigourney Weaver e para Kalki, um americano bonito e loiro, nada menos que Brad Pitt. Mas agora eles já estão passados da idade, hihi!
Abraços,
Maria Renata Ramos

Anna disse...

Laura, estou no final do livro, que devorei, literalmente!
Descobri-o em meu sebo preferido, na mesma edição do Círculo do Livro.
Apesar de gostar muito do espírito iconoclasta de Gore Vidal, esta obra era totalmente desconhecida para mim.
É espetacular! Imagino se Gore estivesse vivo hoje... seu livro é atualíssimo, impressionante!
E descobrir seu blog também foi ótimo.
Anna