sábado, 21 de maio de 2011

O Caso Laura - André Vianco


Antes de falar do livro em si, gostaria de pontuar algumas coisas que o André colocou no texto e que, talvez, muitos leitores não percebam, simplesmente porque são muito novos para saber.
A primeira, que salta aos olhos, é o título.
Quando vi, imediatamente pensei no filme, Laura , de 1944, um “noir” envolvendo o assassinato de uma misteriosa mulher  - a Laura - e o detetive que investiga sua morte  A segunda foi o nome do hotel  aonde boa parte da ação se desenrola: Califórnia.  
Hotel Califórnia  é o nome de uma música belíssima gravada pelo grupo Eagles em 1977 que rendeu ao álbum um disco de platina em 2009. Também chama uma referência à outra canção famosa, Heartbreak Hotel, gravada pelo Elvis (meu rei forever) em 1956 e foi seu primeiro top chart na carreira. 
Duas ótimas sacadas do autor e uma homenagem muito bacana, em minha opinião.  Só por isso já valeria ler, mas O Caso Laura tem muito mais.

Isto posto, vamos ao livro, certo?

Laura é uma mulher sofrida, com um passado pra lá de dramático, suicida em potencial, cujo pai está à beira da morte. Possui na vida dois grandes amigos: a bem humorada Simone, com quem trabalha e Miguel, um sujeito estranho com quem se encontra todos os dias, um uma praça, para conversar. E é justamente Miguel quem faz entrar em cena o detetive Marcel, contratado para descobrir quem é o homem que se encontra com Laura todos os dias. Marcel desconhece a identidade de seu cliente, uma vez que trata apenas com o mensageiro deste, mas aceita o caso porque está sendo bem remunerado e o dinheiro lhe vem em boa hora. O local que escolhe para ficar de campana é, justamente, o Hotel Califórnia, localizado bem ao lado da praça.
O outro núcleo do livro é formado por Allan, um policial linha-dura, boca-dura, bêbado e justiceiro, cuja esposa foi morta por traficantes, vítima de uma bala perdida. Allan está sendo investigado por suas execuções e neste ponto somos apresentados à Gabriela, a bela agente da Corregedoria que chega para “ficar em sua cola”. Juntos eles vão investigar o assassinato de uma jovem, morta de forma violenta.
A estes dois núcleos juntam-se algumas figuras estranhas: um mendigo bêbado e fanfarrão, uma prostitua linda e sensual, um malandro que vigia a entrada da favela, um estranho com uma longa cicatriz no rosto. Quem são eles? Como o autor vai unir personagens tão díspares?
O livro deixa o leitor curioso até o final, embora o autor vá plantando pistas pelo texto, cacos de informações, pedaços de um mosaico complexo e um tanto sobrenatural em certas partes.
Não posso contar mais nada, para não estragar a surpresa, mas uma coisa fica clara ao longo do texto: André é mestre em emoções, em dissecar o ser humano em suas fraquezas, perdições e desesperos. E faz isso sem ser pesado ou carregado, faz com maestria de quem conhece a arte.
Sinceramente fiquei impressionada com algumas cenas e com o comportamento dos personagens, tão passionais e tão incorretos e por isso, tão humanos.
Vale ler, André não é sucesso por acaso.
Recomendo!

Bom final de semana galera!
Beijos.

5 comentários:

Duachais Seneschais disse...

O que acho mais cativante é exatamente essa proximidade que vc acaba tendo com os personagens através de suas emoções, suas vidas. Em suas obras, André Vianco apresenta diversos personagens que, talvez vc nunca mais virá a ver, mas mesmo assim vc é introduzido ao seu dia a dia, anseios, cada um tem uma vida.
Os personagens apresentados em Caso Laura são bem controversos: prostitutas, fanfarrões, bêbados. Gosto quando ele explora personagens assim, mostra como nada na vida é tão simples e como nem todos os caminhos são retos e que as escolhas não são assim tão fáceis para todos.

Geyme Lechner disse...

Gostei muito da resenha e parece um livro que certamente eu gostaria de ler, faz muitoooo meu estilo. Já comentei em algum lugar dessa blogosfera que o "Caso Laura" está anotado no caderninho das minhas próximas leituras. Difícil é conseguir comprar livros de autores nacionais aqui nas Zoropa, entao, vai ter que esperar um pouquinho....
Bacione, amica!

Laura Elias disse...

Rebeca, foi o primeiro livro dele que li. Ganhei do meu filho que o comprou justamente pelo título pra fazer um carinho.
As aprtes que mais gostei não foram as sobrenaturais, foram aquelas descrevendo a perosnalidade e a vida dos personagens. Muito bom!
Beijo, querida, bom demais tb é te ver sempre aqui!

Laura Elias disse...

Geyme, menina, lembrei muito de vc enquanto lia! Os personagens são muito "Geyminianos" por assim dizer, mas a pegada do autor é outra.
Acho que vc vai curtir o livro.

Beijo, sócia!

JOHN MERCÊS disse...

LEIAM THOMAS ALTMAN

ESSE SIM É MESTRE EM DISSECAR AS MÚLTIPLAS FACETAS DE UM SER HUMANO!

ACHEI ESSA HISTÓRIA COMUM PRA BURRO. EU QUE LEIO MACHADO DE ASSIS, STEPHEN KING, THOMAS ALTMAN, CAMPBELL ARMSTRONG (CRIADOR DO JIG - JOGOS MORTAIS) SOFRI LENDO ESSE LIVRO.

MUITO POBRE OS DIÁLOGOS!